Pesquisa do Blog

6 de jan de 2015

Uma História, uma Tradição, uma Receita: Bolo de Reis

Celebrava-se o dia de Reis no dia 6 de Janeiro, pois partimos do princípio que foi nesta data que os Reis Magos chegaram finalmente junto ao Menino Jesus (em alguns países é no dia 6 de Janeiro que se entregam os presentes e não no Natal, na noite de 25 de Dezembro).

Ao chegarem ao seu destino, os Reis Magos deram como presentes ao Menino Jesus:
- Ouro (oferecido por Belchior): este representa a sua nobreza;
- Incenso (oferecido por Gaspar): representa a divindade de Jesus;
- Mirra (oferecido por Baltasar): a mirra é uma erva amarga e simbolizava o sofrimento que Cristo enfrentaria na Terra, enquanto salvador da Humanidade, também simbolizava Jesus enquanto homem.
Assim, os Reis Magos homenagearam Jesus como Rei (ouro), como Deus (incenso) e como Homem (mirra).

Sabe-se que a origem deste Bolo data-se perto de 2 mil anos.
O Bolo de Reis, também conhecido como Bolo Rei e Bolo da Sorte, é uma doce representação dos presentes oferecidos pelos Reis Magos ao Menino Jesus.
A  parte exterior simboliza o ouro, as frutas secas e as cristalizadas no interior do bolo representam a mirra, o incenso está representado no aroma do bolo   (as frutas e a forma circular do bolo com um buraco no centro, aparenta uma coroa incrustada de pedras preciosas).

Um bolo recheado com fava:
Foram os romanos  os primeiros a colocar uma fava escondida no bolo. Esta prática foi introduzida nos banquetes das Saturnais, durante as quais se procedia à eleição do Rei da Festa, também chamado Rei da fava (seria aquele que encontra-se a fava escondida).
A influência da Igreja na Idade Média determinou a criação do Dia de Reis. Assim a receita do Bolo Rei, que proporcionava prosperidade a quem comesse à fatia que possuísse a fava, correu o mundo (para que a profecia se concretize é preciso que a pessoa que  receba a fatia com a fava, ofereça o Bolo Rei no ano seguinte, ok).
A explicação para a existência da fava no interior no bolo rei está ligada também a uma lenda, segunda a qual quando os Reis Magos viram a estrela de Belém que anunciava o nascimento de Cristo, disputaram entre si o direito de entregar ao menino os presentes que levavam. Como estes não conseguiam chegar a um acordo, um padeiro, propôs fazer um bolo com uma fava no interior da massa, em seguida, cada um dos três magos do  Oriente pegaria numa fatia, o rei que tivesse a sorte de retirar a fatia que possuísse a fava, ganharia o direito de entregar os presentes a Jesus. Não se sabe qual foi contemplado com a fatia premiada, pode ter sido qualquer um dos três, Baltazar, Belchior ou Gaspar.

Foram os portugueses trouxeram a receita do Bolo Rei para o Brasil (a primeira casa em Portugal onde se vendeu o Bolo Rei foi a Confeitaria Nacional, em Lisboa, certamente depois de 1869. Outras confeitarias do local passaram a vender a delícia. Logo diversas maneiras diferentes de preparar receita surgiram, sempre respeitando a tradição do recheio de fava). E por aqui, ainda hoje o Bolo de Rei é degustado no dia 6 de Janeiro, quando os cristãos celebram a adoração do Menino Jesus pelos Reis Magos.
A receita brasileira no entanto substitui a fava por um brinde. Costuma-se colocar na massa uma medalhinha (medalhinhas de santinhos) e uma aliança. O significado é:
- Quem pegar o pedaço do bolo com a medalhinha vai ficar pra titia(o), não se casará, mas terá sorte durante o ano.
- Quem pegar o pedaço do bolo com a aliança se casará logo, e será feliz no amor.
                             
A tradição do Dia de Reis mantém viva a simbologia do Natal de Fé, Prosperidade e Esperança.

BOLO DE REIS
Ingredientes:
Massa
200 g de manteiga em temperatura ambiente
1 xícara de açúcar mascavo
4 ovos
1 lata de Leite condensado
2 xícaras de farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento químico em pó
1 xícara de fruta cristalizada
1 xícara uva-passa preta sem semente

Glacê
2 xícaras e meia de açúcar de confeiteiro
2 colheres de sopa de leite quente
2 colheres de sopa de suco de limão
  
Modo de preparo:
Bolo
Bata a manteiga na batedeira até virar um creme. Adicione o açúcar mascavo e junte as gemas uma a uma, batendo sempre até que fiquem bem incorporadas à massa. Acrescente o LEITE condensado em fio, sem parar de bater. Desligue a batedeira e misture a farinha de trigo peneirada junto com o fermento, as frutas cristalizadas e as passas. Por último, incorpore delicadamente as claras em neve. Asse em fôrma grande com furo central (25cm de diâmetro), em forno médio (180ºC), preaquecido, por cerca de 1 hora. Desenforme o bolo ainda quente.

Glacê
Misture os ingredientes e despeje sobre o bolo. Decore com cerejas e folhinhas feitas com figo ou limão cristalizado


4 comentários:

  1. oi Márcia bom dia que historia linda e como e bom poder manter as tradições que aos poucos vão sendo esquecidas,esse bolo e maravilhoso bjs Rosinha

    ResponderExcluir
  2. Boa comida e ainda com historia.....perfeito...=*

    Beijinhos

    virandocomida.blogspot.com
    curiosidadesmontreal.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Uma história que vale a pena recordar!
    Levo receita!
    bj amigo

    ResponderExcluir
  4. Que belo aspecto!
    Beijinhos,
    http://sudelicia.blogspot.pt/

    ResponderExcluir